Mês: junho 2016

[coluna] FIO DENTAL, CIGARROS E TRAGOS: Liberdade, Liberdade

Por LOPES, Marianna Carioca, 23 Escritora FIO DENTAL, CIGARROS E TRAGOSColuna. Liberdade, Liberdade. Leda e o cisneLeonardo Da Vincci A obra ao lado é do famoso pintor Leonardo Da Vincci. “Leda e o cisne” retrata a mulher como ela é. Sem todo aquele esteriótipo da mulher perfeita. Sem nenhuma dobrinha ou qualquer outra imperfeição. O […]

Continue a ler

[coluna] FIO DENTAL, CIGARROS E TRAGOS: Liberdade, Liberdade

Por LOPES, Marianna Carioca, 23 Escritora FIO DENTAL, CIGARROS E TRAGOSColuna. Liberdade, Liberdade. Leda e o cisneLeonardo Da Vincci A obra ao lado é do famoso pintor Leonardo Da Vincci. “Leda e o cisne” retrata a mulher como ela é. Sem todo aquele esteriótipo da mulher perfeita. Sem nenhuma dobrinha ou qualquer outra imperfeição. O […]

Continue a ler

[Diversidade Literária] Capítulo III O Romantismo (1836-c.1875) O Espírito da Literatura Romântica – Marivalda Paticcié

  O Espírito da Literatura Romântica Literatura romântica é um conceito que engloba textos como a “Canção do Exílio”, Iracema, “Meus Oito anos” ou “O Navio Negreiro”. Romantismo foi o estilo que prevaleceu, nas letras nacionais, do final da Regência até os primeiros anos subsequentes à Guerra do Paraguai; logo, a configuração estilística que cobre […]

Continue a ler

[Diversidade Literária] Capítulo III O Romantismo (1836-c.1875) O Espírito da Literatura Romântica – Marivalda Paticcié

  O Espírito da Literatura Romântica Literatura romântica é um conceito que engloba textos como a “Canção do Exílio”, Iracema, “Meus Oito anos” ou “O Navio Negreiro”. Romantismo foi o estilo que prevaleceu, nas letras nacionais, do final da Regência até os primeiros anos subsequentes à Guerra do Paraguai; logo, a configuração estilística que cobre […]

Continue a ler

[Enflorar literário] Crônica: O QUE APRENDI COM AS BORBOLETAS

Hoje pensando na vida, no que fiz dela e o que ela fez de mim; parei para notar o porquê me sinto tão semelhante às borboletas… E qual o encantamento existe em seu revoar. Olhei para dentro de mim e me fiz perguntas a fim de encontrar uma razão para minhas escolhas, e identifiquei que […]

Continue a ler

[Enflorar literário] Crônica: O QUE APRENDI COM AS BORBOLETAS

Hoje pensando na vida, no que fiz dela e o que ela fez de mim; parei para notar o porquê me sinto tão semelhante às borboletas… E qual o encantamento existe em seu revoar. Olhei para dentro de mim e me fiz perguntas a fim de encontrar uma razão para minhas escolhas, e identifiquei que […]

Continue a ler

[Súmula de Domingo] QUERO UM HERÓI, SÓ UM. UM ONI. – Ana Cristina.

Um herói, só um já nos bastava. Ele tem que ser gigante, mas tão gigante que eu não o veja, ele tem que ser onipresente, tanto, que eu sinta sua proteção todas as vezes que tiver que sair por aí, à noite, à tarde, sozinha ou acompanhada e não sinta medo de nada, ele tem […]

Continue a ler

[Súmula de Domingo] QUERO UM HERÓI, SÓ UM. UM ONI. – Ana Cristina.

Um herói, só um já nos bastava. Ele tem que ser gigante, mas tão gigante que eu não o veja, ele tem que ser onipresente, tanto, que eu sinta sua proteção todas as vezes que tiver que sair por aí, à noite, à tarde, sozinha ou acompanhada e não sinta medo de nada, ele tem […]

Continue a ler

[Diversidade Literária] Ficções de Interlúdio- Heterônimos de Fernando Pessoa- Os Outros Eus- Marivalda Paticcié

 Ficções de Interlúdio  Heterônimos de Fernando Pessoa- Os Outros Eus Textos de Reflexão: Texto I O que Fernando Pessoa escreve pertence a duas categorias de obras, a que podemos chamar ortônimas e heterônimas. Não se poderá dizer que são anônimas e pseudônimas, por que deveras o não são. A obra pseudônima é do autor em […]

Continue a ler

[Diversidade Literária] Ficções de Interlúdio- Heterônimos de Fernando Pessoa- Os Outros Eus- Marivalda Paticcié

 Ficções de Interlúdio  Heterônimos de Fernando Pessoa- Os Outros Eus Textos de Reflexão: Texto I O que Fernando Pessoa escreve pertence a duas categorias de obras, a que podemos chamar ortônimas e heterônimas. Não se poderá dizer que são anônimas e pseudônimas, por que deveras o não são. A obra pseudônima é do autor em […]

Continue a ler