[COLUNA DE FÉRIAS] Poema de invenção

Tudo o que invento,
vive!

O que invento é
fazejamento de encantar!

O que crio,
não tem o dom de fenecer!

O que canto,
é música de invenção!

Mas, perceba, tudo o que invento,
n(m) atura-se na criação.

Agora, descansa o amor
porque o dia tarda!

ALDO MORAES

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *