[4°Poética] Abuso – Kleber Sant’ana

ABUSO


___ Meu sexto sentido alertava-me do perigo eminente, estranhos olhos cobiçantes me seguiam incessantemente.
___ Ao descer do coletivo caminhei para casa, passos apressados perseguiam-me pela rua deserta, nenhuma alma viva, a inevitável abordagem seria certa.
___ Puxaram-me pelo braço, encostaram-me na barriga uma faca gelada, fui jogada de bruços   naquele terreno baldio, por aquele homem vadio, nojento e hostil.  
___ Aquela voz asquerosa e demoníaca não me sai da cabeça, dizendo-me: ___ Não grite, fica quieta e me obedeça, faça tudo o que eu quiser, pra que você nunca se esqueça.
___ A violência do opressor matou meus sonhos e roubou minhas escolhas, violou a minha intimidade, deflorando a minha virgindade, invadindo o meu corpo sem pudor, sem piedade.
___ Ali fiquei largada ao chão em meio aos prantos, sem socorro, machucada e ferida, sem pai e nem mãe, sem amigos, sem ninguém, só eu e Deus a quem muito agradeço por estar viva.
___ Me sinto culpada sem ter culpa de nada, do meu frágil corpo dilacerado lavo o sêmen do maldito molestador, na minha mente circula as lembranças horríveis e da minha pobre alma só me resta a dor, vivida naqueles inesquecíveis momentos de horror.
Autores: Kleber Sant´Ana Matos/Marcia Florêncio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *