{4ª Poética} –

#Pratodosverem. Uma colcha de retalhos remendados com fio amarelo e botões grandes e pequenos. Cada pano com uma estampa diferente, coloridas e com formas, e com flores ou linhas.



Nessa colcha de retalhos

Emendo laço a laço

As pontas soltas do acaso.

E que por um acaso

Esse tal destino trama, 

(Nem sempre contra)

Mas sempre trama!

E de alinhavo, em alinhavo

Aponta novos caminhos pra mim…

Talvez mais coloridos e múltiplos.

A parte boa desse remendar-me

É que sempre nasce uma coisa nova:

Hora poema, hora canção!

E nas batidas desse coração, que

Insisti em bater… 

As vezes vem de surra,

Outras, vem como o bater de asas.

Enflorando o verso de uma alma cansada…

Quem sabe seja apenas cansada de coser.


(Mariane Helena)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *