#Pratodosverem imagem com fundo de cor bege, com letras pretas está escrito: "A vida do poeta tem um ritmo diferente Ela o conduz errante pelos caminhos, pisando a terá e olhando o céu Preso, eternamente preso pelos extremos intangíveis." Vinícius de Moraes. Na parte inferior, em vermelho: 20 de outubro DIA DO POETA.
#Pratodosverem imagem com fundo de cor bege, com letras pretas está escrito:
“A vida do poeta tem um ritmo diferente
Ela o conduz errante pelos caminhos, pisando a terá e
olhando o céu
Preso, eternamente preso pelos extremos intangíveis.”
Vinícius de Moraes.
Na parte inferior, em vermelho:
20 de outubro DIA DO POETA.

presente e passado

Todas as máscaras caíram
E os batons e os rímeis e os
Pós que transformam a minha pele
E meu rosto.
Existe um outro corpo a se conhecer
Andando por aí, muito mais feliz
Do que eu; beijando
Desejos extravagantes,
Revestido de
Dores e alegrias pulando
Pelas casas, pelos copos de café esquecidos
Nas padarias sujas nas beiras
De estradas. Ela se foi por um tempo e não mais voltará
Ela louca e derradeira
A sofrer amores roubados
Quilos perdidos e ganhos, histórias
De tristezas e imensas confusões ;
Pois assim que se deu:
Imensas confusões;
Direitas virando esquerdas
Virando mortes precipitadas
E abandonos reclusos. Ela se
Virou sempre com sorrisos e raivas guardadas.
Bandeiras estiadas a meio palmo. Lágrimas de uma pátria perdida, passos no estrangeiro, línguas desconhecidas, depois entendidas, depois amadas, depois abandonadas.
Os barcos naufragados, a imensidão da perda ao seu redor, a falta do ar,
A solidão despertadora, as bolhas subindo ao céu, o afundar-se, o perder-se, o deixar-se ir embora,
Para qualquer nunca mais.

Vida diz outras histórias
Talvez, as únicas verdadeiras

Os enganados,
Somos nós

E se cria outra pele todo dia
Seja coisa brilhante, seja uma poesia lembrada dessa pele perdida
Ou pelo menos, qualquer amor

Um amor qualquer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *