{Quarta Poética} – A sinceridade na ansiedade – Camila Prado

Descrição da imagem Foto colorida com fundo desfocado. No centro uma jovem cobre o rosto com as mãos, ela tem pele branca, cabelos lisos e castanhos e veste uma blusa azul. Ao redor da sua cabeça rabiscos negros se entrelaçam formando delicados arabescos. Fim da descrição

 

 

Ansiedade sombria, amiga de grande  estima, a cada dia!
Onde procurar abrigo que não estejas lá?

Longas pausas e pulsações afoitas, subsequentes,
Meu castigo mudo e minha voz eloquente. . .

Por certo, haveria motivo para extinguir esse mal?
Ou ainda quem sabe, a cura ou apenas um vislumbre?

Não há saber que em exercício
Descanse sua frequência,
Não há instrumentos para condensar-te.

De sorte, vivo a esmo!
Despretenciosa de esmagar-te,
Vou vivendo minuto a minuto, alimentando a dor…

Quem sabe, haja alguma esperança que
Amacie a dureza da minha tristeza…
Quem sabe eu acorde com flores na alma,
Sepultando toda a aridez desse chão!

Clamo como quem chora em silêncio
Choro, grito, na esquina da solidão. . .

Empalideço no assombro da submissão,
E imploro aos céus sem impor minhas súplicas, mas com espirito prostrado,
De um aspirante á vida, que desejar o gotejar da felicidade em sua língua…

1 comentário em “{Quarta Poética} – A sinceridade na ansiedade – Camila Prado

  1. Amei o conteúdo em si, profundo e muitas pessoas já vivenciaram, ou, estão vivenciandoo tema abordado. Parabéns!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *