{Crônica de natal} – Oração de uma menina Anjo – Mariane Helena

Inicio da descrição: imagem de perfil de uma menina de pele negra, vestido branco e cabelos soltos. Ela está de olhos fechados e suas mãos se juntam próximo ao peito e queixo, em formato de oração. Fim da descrição.

Certo dia, em um ano difícil qualquer, eu menina-anjo, me pus a orar. Orar para esse tempo passar logo e que junto com a estrela da manhã nascida, minhas lágrimas secassem, e que o ato de esperançar voltasse a orientar meus passos firmes na história.
Disse para Deus, imperar a cura dos corações partidos, de luto e frio, fortalecendo a fé no homem e no que virá.
Nessa oração, pedi para o povo em diáspora do mundo todo, alcançasse, nele! Nos braços do pai, abrigo e continuidade de ser capaz de viver sonhos de algodão.
Por um momento, confesso, duvidei! Já que de onde eu vim, roubaram-me o ar, o amor e a liberdade de um abraço amigo, a possibilidade de viver unida aos meus… Ver um filho crescer.. ou pisar novamente no meu chão.
Essa oração, fiz a mais de 400 anos atrás, quando passei a viver a eterna pandemia racista, que dissimou um povo sem nada dever, e que até hoje vive a impossibilidade da igualdade entre irmãos. Com direitos e força, união e acolhimento!
Hoje vivo muitas pandemias (ainda) diariamente: a pandemia do medo, do ódio, do “não”, das doenças emocionais… Cicatrizes ao longe, do longo processo de violência estrutural contra toda a diferença e aceitação do novo.
Vivendo esse “novo normal”, até mesmo no natal, minha oração é igual: não permita mais que nos mate! E junto com o sino que agora bate, nos desperte para um novo olhar, sobre minha cor e minha existência.

           

(Mariane Helena)


Siga nossas redes sociais:

 

Facebook

Instagram 

Canal do YouTube

Marcado com , , , , , , , ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *