{Nas Trilhas do Cordel} – UM TEXTO EM FORMATO DE CORDEL – Alaíde Souza Costa

 

Olá, Forasters!

 

Sou muito fã, desde infante
De rica Literatura
Que bem emana Cultura
Me faz ficar triunfante
Escrevendo, vou avante
Pois, meu texto nos convida
A ler lembrança vivida
E recordar fato afável
O CORDEL FOI RESPONSÁVEL 
POR TRANSFORMAR MINHA VIDA.

Glosa: Alaíde Souza Costa
Mote: Edilene Soares

 

    Estão lembrados que contei aqui, que ficava maravilhada quando assistia as apresentações dos violeiros cantadores, trovadores, repentistas e cordelistas e que eu “aporrinhava” o meu pai, nessa hora, para que ele comprasse os folhetos de Cordel? Pois foi! O poema acima, retrata, não só, o quanto eu sou apaixonada, desde sempre, pela Literatura de Cordel, mas também, que esse tipo de literatura, transformou a minha vida de escritora e poeta. 

 

    Pois bem! Já em casa, lia esses livrinhos coloridos com muito gosto e os declamava para os meus irmãos e amigos. Eram textos arrumados no papel, de forma diferente, os quais, mais tarde, eu descobri serem chamados Poemas de Cordel.   Essa estrutura diferente é denominada: Poema, cujas linhas são os versos.  E o agrupamento dos versos, são as estrofes. Por esse motivo, são textos do tipo verso (poema) e não, prosa. Além disso, para o poema ser um Cordel, deve ser composto a partir de um fundamento básico: Rima, Métrica e Oração, onde cada um dos dois primeiros elementos citados, carrega características próprias da Literatura de Cordel (esquema de rimas e contagem silábica poética dos versos, ou seja, Metrificação). O agrupamento das estrofes, também é especial. Eis aí, o que diferencia o Cordel, do Soneto e da Trova, por exemplo.

 

    Parece complicado, não é? E é complicado, mesmo, viu? Mas, se eu consegui me tornar cordelista, por que vocês não conseguirão? Basta fazer como eu fiz: procurar cordelistas, com a finalidade de receber uma boa orientação; estudar sobre rima (é bem gostoso, rimar!) e métrica (eita bicho que complica a nossa vida!); pesquisar sobre a querida Literatura de Cordel; exercitar bastante para fixar o que aprendeu ( só temos esse caminho!); e , pimba! Escrever um belo Cordel.  Ah! Um lembrete: não podemos esquecer que, todo texto, seja em verso ou em prosa, tem que possuir coerência e coesão ( Eita! Mais estudo?Sim! ) . É esse o terceiro fundamento do Cordel: a Oração, a qual, é o próprio texto.

 

    Para encerrar esse texto, faço aqui uma promessa: explicar, com mais detalhes e exemplos, sobre Rima e Métrica, no próximo mês. Até lá!

 

Alaíde Souza Costa

 

Marcado com , , , , , , , ,

3 comentários em “{Nas Trilhas do Cordel} – UM TEXTO EM FORMATO DE CORDEL – Alaíde Souza Costa

  1. Muito bem, querida Alaíde. PARABÉNS.
    Gostei muito.

  2. Oi Alaide, Bom dia!
    Eu gosto muito de ver seus trabakgos.
    Muito esse se projeto.
    Com certeza irei aprender muito com você.

  3. Perfeito, amiga Alaíde! E muito interessante!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *