Autor: Mariane Helena

Joseense, tem 30 anos. É escritora negra, poetisa, romancista e cronista. Desenvolve trabalho voluntário como ativista cultural no tangente a propagação e acesso da literatura para todos.   Tem sete livros publicados e pertencente ao grupo Mulheres do Brasil (comitê de igualdade racial e educação) núcleo são José dos Campos, teve seu trabalho ampliado de acordo com as ações do grupo. Hoje, além de escrever para blogs e sites, revistas e jornais; tem uma presença fortes nas escolas e espaços culturais públicos de sua cidade de nascença. Prêmios recebidos durante sua carreira: Comendadora de literatura através da comenda Castro Alves de Literatura e arte 2017 – Congresso Brasileiro de poetas trovadores  Acadêmica da Academia Literária Internacional de Poetas e Escritores – ALIPE, detentora da cadeira 18 / Patronesse Carolina Maria de Jesus Recebeu o TROFÉU CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE – EDIÇÃO ESPECIAL OURO como destaque do ano 2015. Recebeu o TROFÉU CECILIA MEIRELLES – MULHERES NOTÁVEIS de 2016. Recebeu o TROFÉU CASTRO ALVES – EXCELÊNCIA LITERÁRIA 2017. Recebeu Medalha Teresa de Benguela , Como personalidade Negra do Vale 2019 - Na cidade de Caçapava/SP Indicada para medalha SUPERAÇÃO- Prefeitura municipal de São José dos Campos. Agraciada com Certificado de Mérito Cultural – Embaixada da Poesia. Comenda Medalha IV Conde de Figueiró - Embaixada da Poesia.

[quarta poética] sonhos – miriam mauro

Sonhos   Lembrar sempre que sonhar é preciso,Que a vida é incerta,Que o momento é rápido,Que há o choro mas também o riso. E há que se ter claro em menteAs escolhas, e atrás delas correr,Viver cada uma e cada diaComo quem vive a plantar sementes.   (Miriam Mauro)

Continue a ler

[Quarta poética] resistência – Vicente Blood

Resistência Sigo seguindo na resistência combatendo a intolerância Muitas vezes fingindo demência pra sobreviver a tanta ignorância Neste mundo de violência empurrado desde a infância Imprescindível manter paciência, coerência na militância Cega ganância, extravagância só fortalecem essa indecência Não dar importância, aumenta a distância e multiplica a violência Da nojo de ver, quem tá no […]

Continue a ler