Tag: Faroeste Literário

Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O Condor – Acauã Pozino

Contaram-me de um tempo Em que um pássaro esquivo Tão voraz quanto altivo Nos veio assombrar. Planava no vento Com ventos varria Garbosas poesias Nativos lamentos. Sua língua, disseram, Soava estrangeira, Desbotada, grosseira, Sem alma, sem versos. Diz-se que só conhecia A rude linguagem das armas Dos cofres moedas e arcas: Avesso ao cantar e […]

Continue a ler
Início da descrição: Quatro fotos sobrepostas uma à outra. Na primeira foto, a mão de um homem e de uma mulher estão dadas. Na segunda, três mãos uma em cima da outra, . Na terceira foto, uma mão enrugada está estendida sobre outra. E na última, duas mãos estão unidas e com os dedos entrelaçados, no pulso, pulseiras arco-íris.. Fim da descrição

{ANDEI PENSANDO} – O Choque Perante o Desconhecido – BIA FERNANDEZ

“Ninguém é de ninguém. As pessoas são livres para escolher o próprio caminho. O amor é espontâneo. Não se pode forçar os sentimentos.” ZIBIA GASPARETTO E aí, leitor, como essas palavras te encontram? Espero que super bem! Bom, escrevi essa crônica em um dia em que estava refletindo sobre o amor, em suas diversas formas, […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O Luau – Acauã Pozino

Vai-se a Lua, Com as estrelas atrás, Sai o sol imponente Prometendo-me um dia a mais. Pela praia afora espalham-se Os restos de alegria conjunta Manifestos da rebeldia enxuta Da juventude que o país descarta. Cada um vai por si se despedindo Novas velhas amizades vão surgindo E enquanto isso o Sol já vai lá […]

Continue a ler

{ANDEI PENSANDO} – Que Mundo é Esse? – BIA FERNANDEZ

Que mundo é esse no qual vivemos? 😩 Que mundo é esse, em que traições são consideradas banais, onde a hipocrisia é parte do dia a dia? Que mundo é esse, onde não se dá mais bom dia, onde ser educado é raridade, onde sobra egoísmo e falta solidariedade? Que mundo é esse, onde ser […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Soneto – Acauã Pozino

Na pressa de tocar a vida Esqueci de dizer que te amoþ Omiti meus instintos humanosþ Ostentei minha gala garrida. Na pressa de tocar a vida Esqueci em casa o ramo de flores, que haveriam de enfeitar um dia Teus cabelos com naturais fulgores. Mas agora, no aeroporto, Esperando, como tantas vezes O voo para […]

Continue a ler
início da descrição: Sob a luz do sol, em um campo de girassóis, uma mulher loira de pele clara está de costas com um girassol na mão, próximo ao rosto. Seus cabelos estão soltos com duas pequenas tranças que coroam sua cabeça.. Fim da descrição.

{4ª Poética} – Girassol – Ana Luisa sene

Luz do sol Brisa do mar; A noite iluminada pela luz do Luar. Desejo infinito Amor escondido; Onde está as estrelas do mar? São elas que brilha nas noites sombrias? Vejo no horizonte escrito seu nome em nuvens formadas; Em uma linda camada. Amor está nas coisas e lembranças mais banais; Onde vejo seu sorriso […]

Continue a ler
Início da descrição: Na capa com fundo Marrom, uma sequência de três quadros pendurados com um grampo em um varal. No primeiro, o desenho de um casal, ela com uma coroa e ele com um chapéu de cangaceiro em formato de meia lua, um de frente para o outro e com as mãos juntas ao ar. No segundo quadro: um cacto e pássaros voando sobre a escrita: "Nas trilhas do cordel" "Alaíde Souza Costa". No terceiro quadro: dois homens de chapéu, sentados um ao lado do outro seguram uma viola. Logo abaixo das imagens, pequenas figuras de personagens dançantes, variando entre homens e mulheres, todos festejastes.

{Nas Trilhas do Cordel} – UM TEXTO EM FORMATO DE CORDEL – Alaíde Souza Costa

  Olá, Forasters!   Sou muito fã, desde infante De rica Literatura Que bem emana Cultura Me faz ficar triunfante Escrevendo, vou avante Pois, meu texto nos convida A ler lembrança vivida E recordar fato afável O CORDEL FOI RESPONSÁVEL  POR TRANSFORMAR MINHA VIDA. Glosa: Alaíde Souza Costa Mote: Edilene Soares       Estão […]

Continue a ler
Início da descrição: Na paisagem, o céu está em tons de Cinza, Alaranjado e Rosa, no canto inferior direito, uma arvore meio inclinada, de onde saem folhas que estão voando com o vento. Fim da descrição.

{4ª Poética} – Passaredo – Marlon Drumond Viana

Passamos pela cidade Sem cortes ,soltos, Passamos pelo vento Recalcados fortes Passamos pelo amor Angustiados, sem tom Passamos pelas flores Lindas, lúdicas Passamos pela inconfidência Cansados, felizes Passamos pelo mar Sem medo,, sem tom Passamos pelas ditaduras Pintados, de pés descalços Passamos pelo lúdico Crianças, generosas Passamos pelos poetas De canetas ,nas mãos Passamos pelas […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O trem – Acauã Pozino

Esse trem, Ah, o trem!… Trem de doido, Trem azul, Trem afoito, para o norte ou para o sul. Trem das 7, Trem das 11, Trem que não esquece, Viajante de lá de longe. Neste trem já embarcou muita gente. Já houve choro, já houve riso, Já ouve coro, até cravo antigo, Já se comprou […]

Continue a ler