Dia: 18 de novembro de 2015

[4ª Poética] Construí para mim uma casa – Sara Timóteo

Construí para mim uma casa Onde os pássaros não morrem Em promontórios de bicos abertos pela sede E nos seus caramanchões de alfabetos me refugiei. Construí para mim uma casa Onde as flores azuis permanecem vivas Sob um céu imutável de deslumbramento E entre as suas divisórias de cristal a minha sede saciei. Construí para […]

Continue a ler

[4ª Poética] Construí para mim uma casa – Sara Timóteo

Construí para mim uma casa Onde os pássaros não morrem Em promontórios de bicos abertos pela sede E nos seus caramanchões de alfabetos me refugiei. Construí para mim uma casa Onde as flores azuis permanecem vivas Sob um céu imutável de deslumbramento E entre as suas divisórias de cristal a minha sede saciei. Construí para […]

Continue a ler

[4ª Poética] Presa tua – Patty Freitas

Me tens assim.. Tão complacente, Tão inteira, Tão sua! Domina-me na tua sedução; Como numa teia… Estou engodada, Presa fácil, Incontestável dos teus domínios. Me enredas na textura da tua pele…. Macia, como um veludo. No teu perfume, A envolver-me… Entorpecer-me os sentidos. E fazer-me fulgaz a razão! No sabor do teu corpo, Suado… Misturado […]

Continue a ler

[4ª Poética] Presa tua – Patty Freitas

Me tens assim.. Tão complacente, Tão inteira, Tão sua! Domina-me na tua sedução; Como numa teia… Estou engodada, Presa fácil, Incontestável dos teus domínios. Me enredas na textura da tua pele…. Macia, como um veludo. No teu perfume, A envolver-me… Entorpecer-me os sentidos. E fazer-me fulgaz a razão! No sabor do teu corpo, Suado… Misturado […]

Continue a ler

[4ª Poética] Negra Raiz – Mariane Helena

O meu verso é negro como negra é minha raiz Somos seguimento de luta e da dor Temos na essência um rastro áfrico Ta na pele, no cabelo, no prato… na história! Do peito da mãe preta jorrou toda a resiliência Mesclou preto no branco Ultrapassou as fronteiras, Resistiu, insistiu, Ganhou seu lugar… Fincou nesse […]

Continue a ler

[4ª Poética] Negra Raiz – Mariane Helena

O meu verso é negro como negra é minha raiz Somos seguimento de luta e da dor Temos na essência um rastro áfrico Ta na pele, no cabelo, no prato… na história! Do peito da mãe preta jorrou toda a resiliência Mesclou preto no branco Ultrapassou as fronteiras, Resistiu, insistiu, Ganhou seu lugar… Fincou nesse […]

Continue a ler

[4ª Poética] Olhar que matou o coração – José Francisco Rodrigues

Meu olhar de cansaço Acompanha o sofrer com a saudade Aquela que assassinou a vaidade E até me causou embaraço Revela a mais pura verdade Que por trás da face cismada Carrego fardo por paixão fantasiada Que parecia existir por caridade Mas o olhar na verdade estava Fingindo que te aguardava Aparecer na multidão E […]

Continue a ler

[4ª Poética] Olhar que matou o coração – José Francisco Rodrigues

Meu olhar de cansaço Acompanha o sofrer com a saudade Aquela que assassinou a vaidade E até me causou embaraço Revela a mais pura verdade Que por trás da face cismada Carrego fardo por paixão fantasiada Que parecia existir por caridade Mas o olhar na verdade estava Fingindo que te aguardava Aparecer na multidão E […]

Continue a ler

[4ª Poética] Breve tom de Azul – Sara Timóteo

Embarco nos teus olhos com destino à costa da vida. Surge no horizonte um breve tom de azul, não sei se oriundo do mar ou dos segredos ancorados na casa branca do pinhal. Coloco os sonhos em lume brando, refaço-me de mais uma mentira, corro as gelosias dentro de mim, sorrio e disponho-me a esperar.

Continue a ler

[4ª Poética] Breve tom de Azul – Sara Timóteo

Embarco nos teus olhos com destino à costa da vida. Surge no horizonte um breve tom de azul, não sei se oriundo do mar ou dos segredos ancorados na casa branca do pinhal. Coloco os sonhos em lume brando, refaço-me de mais uma mentira, corro as gelosias dentro de mim, sorrio e disponho-me a esperar.

Continue a ler