[A vida por Ana Rapha] Uma doce mordida

Olá, meus leitores!!
E hoje estreia a minha coluna: A vida por Ana Rapha
Pra começar, uma crônica sobre o amor, os sonhos, as frustrações. Sentimentos esses tão presentes em nossas vidas! Boa leitura!! Aguardo os comentários!! 😉

Uma doce mordida

         Nem todos os sonhos de infância são realizados. Muitos perduram por toda a vida, deixando-nos frustrados.
            Aconteceu comigo diante de uma vitrine de doces. Todo dia passava por aquele local e os via tão tentadores, seduzindo-me e aguçando os meus sentidos. Sentia-me tão impotente diante dessa situação, pois os desejava plenamente,  mas não podia sequer prová-los.
            Então, depois de meses de tanta expectativa, resolvi que tinha que mudar essa situação, precisava encontrar um modo de possui-los. Dinheiro? Eu não tinha para comprá-los, afinal doces tão apetitosos são caros. Foi então que me veio a ideia de roubá-los. Arquitetei um plano, mas esse foi em vão, só consegui maior vigilância dos donos da confeitaria. Pensei em trabalhar, mas na minha idade não conseguiria nenhum emprego. Assim, meu sonho ficava cada vez mais longe e estando há apenas alguns metros da minha casa. Pensava como isso era possível.
            Até que um dia resolvi tomar uma decisão drástica: foi quando um lindo e distraído menino saiu da confeitaria acompanhado de sua mãe segurando o mais tentador dos doces, me aproximei dele e rapidamente tirei uma dentada daquele delicioso e inesquecível dois amores. Fiquei horas salivando e sentindo aquele sabor incomensurável, que me atormenta e me embriaga até nos meus sonhos mais recentes.
            Sempre pensei o porquê de não ter conseguido comer aquele doce por inteiro, mas hoje, no auge dos meus 60 anos de idade, sei a resposta: tive medo, pois se o quisesse de verdade teria ultrapassado todas as barreiras para consegui-lo.

            Os anos passaram e provei vários outros doces, mas nenhum deles tinha o sabor daquele… pois descobri que os momentos são únicos e as sensações jamais se repetem, por isso deveria ter me empapuçado, satisfazendo meus desejos, rendendo-me à paixão e fazendo-me feliz… só assim seria uma pessoa melhor, pois acreditaria mais em mim, conseguindo viver plenamente, pois afinal o que é a vida senão uma aventura incessante que só vale uma doce mordida?


Quer saber mais sobre Ana Rapha?
Confira sua fanpage: https://www.facebook.com/escritoraanarapha/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *