Autor: faroesteliterario

Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} Canto Negro – Acauã Pozino

Barua ya Upinde wa Mvua (Carta do Arco-ìÍis) Bom-dia, pra quem é de bom-dia, Boa-noite, pra quem é de boa-noite; rVenho falar sobre os descartados da eugenia, Venho falar de quem sangrou sob o rijo açoite. Mas antes, hei de fazer Alguumas singelas considerações; Porque muitos haverão de falar que são bravatas, ilegítimas; Versos fanfarrões. […]

Continue a ler
Descrição da imagem: Montagem com fundo colorido. No centro da imagem , em preto, o Cactus do faroeste com um hedfone, contornado por um brilho branco. Fim da descrição.

{Podcast Faroeste} episódio 01 – entrevista com o escritor Davyd Vinicius

Heeey forasters, o nosso podcast está de cara nova! Prontos para desfrutar desse ambiente sonoro que preparamos para cada um de vocês? No episódio de hoje, vamos conhecer um pouco mais da trajetória do escritor Davyd Vinicius. Ele que é o criador e diretor do nosso blog. Vamos ouvir também uma homenagem feita com todo […]

Continue a ler
#Pratodosverem um coração se forma com cacos de vidro transparente de diversos tamanhos, ao redor pequenos estilhaços estirados sobre um fundo branco.

{4ª poética} obra de arte – Mirian Mauro

quando enfim você desiste, só o que sobra são cacos, restos, entulhos, estilhaços.

Continue a ler
#Pratodosverem uma menina segura um sabiá com as duas mãos. O bico dele se encontra nos lábios dela, ela está de olhos fechados. A menina tem pele clara, sardas no nariz e bochechas, e cabelos castanhos curtos e soltos ao rosto. Fim da descrição

{4ª poética} Pureza – Ana Sene

Pureza é um encanto da beleza De ser criança e viver uma bela infância; Doce infância onde brinca e corre diversão não esnobe. Pureza em um pequeno olhar profundo da inocência; Onde a maldade não se entenda. Pureza em seu jeito de falar me faz encantar. Eu escolhi te amar Meu pequeno sabiá.

Continue a ler
#Pratodosverem paisagem do mar e o horizonte, o céu em degradê de azul e laranjado. Em primeiro plano, apoiado sobre uma janela, do lado de um tecido leve e quase transparente, uma vela parcialmente derretida. A chama é composta por uma folha, ao lado tem uma concha em espiral com formato de cone, logo acima voa uma borboleta.

{4ª poética } PARTIU MINHA POESIA – Robson Wagner de Souza

Acordei sem inspiração O vazio me completa Procuro palavras em vão E a poesia se dispersa. Por mais que tento Nada vem Procuro dentro Nada tem! Desencontro desesperado Preciso me encontrar Tento sonhar acordado Não consigo me achar. Desprovido da palavra Cada linha espera um verso A caneta o papel lavra E as estrofes ficam […]

Continue a ler
#Pratodosverem uma mulher de costas sentada numa canoa segurando um remo, ela tem pele clara, cabelos escuros e soltos na altura dos ombros, veste um colete salva-vidas. Ela rema numa lagoa com águas claras e esverdeadas. Ao fundo, árvores, grandes montanhas rochosas e com neve nos pontos extremos. E o céu azul com algumas nuvens brancas. A imagem é cortada ao meio com uma linha na diagonal, a parte da direita está com filtro vermelho. Nessa parte, com letras brancas está escrito: "quando não há ne

{4ª Poética} NÃO SEJA PACATO! – (Marli da Silva

Tudo pode ser diferente, Só depende da gente Parar de se comportar como coitado E ficar esperando sentado Que as coisas deem uma guinada Sem fazer nada. Por que cultivar tristeza Ou culpar aos outros Pelas nossas fraquezas? É preciso deixar de bobagem; Procurar ter muita coragem De dar os primeiros passos, Sem temer os […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

[Versartil] Quisera Escrever – Acauã Pozino

Quisera escrever, quisera, Mas como eu explico Ao papel Que as palavras recentes de meu dialeto Se movem por dentro da dialética Da ânsia de um beijo de Tanatos E da fantasia de um beijo teu? Como é que eu digo à Gramática Ou, pior, à Ortografia Que é igual a vontade de fuga E […]

Continue a ler

Teste

teste 123 testando 123

Continue a ler
Início da descrição: Imagem com os dizeres: "Sinestesia Olfato" sobre fundo bege, onde paira uma leve fumaça branca. Na lateral direita da imagem, vê-se de onde vem a fumaça que compõe o fundo: há metade do rosto de uma mulher aspirando, com ar deleitado, uma vasilha com um bolo ou pão quente. Fim da descrição.

[Podcast Faroeste] 3. Sinestesia Olfato – Série Sinestesia

Olá forasters, depois de um longo tempo de pausa, trazemos a continuaçã da série “Sinestesia” em nosso podcast. Os episódios vão sair todas as segundas-feiras aqui em nosso blog, mas você já pode encontrar a série completinha lá no Spotify, basta procurar por “Podcast Faroeste”, e claro, não deixe de nos seguir, para receber os […]

Continue a ler
início da descrição: Foto de um campo de flores, no centro da imagem, detalhe de mãos em concha segurando algumas flores amarelas, as mesmas do campo. Fim da descrição.

[Estante Faroeste] Flores amarelas – Davyd Vinicius

Esse é o mesmo vento Que toca sua pele e congela o seu coração, E quem diria Que eu não precisaria viajar o mundo para conhecer o frio do inverno, Me bastou olhar os seus olhos Para conhecer a imensidão, Do Canadá ao polo norte; pra você é falta de amor, Mas para mim parece […]

Continue a ler