Categoria: poesias

Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} Canto Negro – Acauã Pozino

Barua ya Upinde wa Mvua (Carta do Arco-ìÍis) Bom-dia, pra quem é de bom-dia, Boa-noite, pra quem é de boa-noite; rVenho falar sobre os descartados da eugenia, Venho falar de quem sangrou sob o rijo açoite. Mas antes, hei de fazer Alguumas singelas considerações; Porque muitos haverão de falar que são bravatas, ilegítimas; Versos fanfarrões. […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versátil} – Achados – Acauã Pozino

O presente de amar O futuro de Existir O passado de sofrer. A técnica do mergulho. (Acauã Pozino)

Continue a ler
Descrição da imagem: Montagem com fundo colorido. No centro da imagem , em preto, o Cactus do faroeste com um hedfone, contornado por um brilho branco. Fim da descrição.

{Podcast Faroeste} episódio 01 – entrevista com o escritor Davyd Vinicius

Heeey forasters, o nosso podcast está de cara nova! Prontos para desfrutar desse ambiente sonoro que preparamos para cada um de vocês? No episódio de hoje, vamos conhecer um pouco mais da trajetória do escritor Davyd Vinicius. Ele que é o criador e diretor do nosso blog. Vamos ouvir também uma homenagem feita com todo […]

Continue a ler
#Pratodosverem paisagem do mar e o horizonte, o céu em degradê de azul e laranjado. Em primeiro plano, apoiado sobre uma janela, do lado de um tecido leve e quase transparente, uma vela parcialmente derretida. A chama é composta por uma folha, ao lado tem uma concha em espiral com formato de cone, logo acima voa uma borboleta.

{4ª poética } PARTIU MINHA POESIA – Robson Wagner de Souza

Acordei sem inspiração O vazio me completa Procuro palavras em vão E a poesia se dispersa. Por mais que tento Nada vem Procuro dentro Nada tem! Desencontro desesperado Preciso me encontrar Tento sonhar acordado Não consigo me achar. Desprovido da palavra Cada linha espera um verso A caneta o papel lavra E as estrofes ficam […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O Luau – Acauã Pozino

Vai-se a Lua, Com as estrelas atrás, Sai o sol imponente Prometendo-me um dia a mais. Pela praia afora espalham-se Os restos de alegria conjunta Manifestos da rebeldia enxuta Da juventude que o país descarta. Cada um vai por si se despedindo Novas velhas amizades vão surgindo E enquanto isso o Sol já vai lá […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Soneto – Acauã Pozino

Na pressa de tocar a vida Esqueci de dizer que te amoþ Omiti meus instintos humanosþ Ostentei minha gala garrida. Na pressa de tocar a vida Esqueci em casa o ramo de flores, que haveriam de enfeitar um dia Teus cabelos com naturais fulgores. Mas agora, no aeroporto, Esperando, como tantas vezes O voo para […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

[Versartil] Quisera Escrever – Acauã Pozino

Quisera escrever, quisera, Mas como eu explico Ao papel Que as palavras recentes de meu dialeto Se movem por dentro da dialética Da ânsia de um beijo de Tanatos E da fantasia de um beijo teu? Como é que eu digo à Gramática Ou, pior, à Ortografia Que é igual a vontade de fuga E […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O trem – Acauã Pozino

Esse trem, Ah, o trem!… Trem de doido, Trem azul, Trem afoito, para o norte ou para o sul. Trem das 7, Trem das 11, Trem que não esquece, Viajante de lá de longe. Neste trem já embarcou muita gente. Já houve choro, já houve riso, Já ouve coro, até cravo antigo, Já se comprou […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Arco-íris – Acauã Pozino

Holofotes brilham Na cidade alerta Uma escolha incerta Dançamos quadrilha Com o horror maravilha Que com balas frias Matou Marighella. (Acauã Pozino)

Continue a ler

{4ª Poética} Lá Luna – Mariane Helena

#Pratodosverem Foto colorida do céu noturno com algumas nuvens, a lua cheia brilha, se refletindo na  água abaixo. Na imensidão do céu, Não sou ar, nem sol. Também não sou breu! Apenas faço versos às estrelas Para alumiar-me minha vastidão só. Enamorada pelas luzes dalém… Me transformo em luar! Para transmutar; As tristezas em estrelas, […]

Continue a ler