Carregando...

FAROESTE LITERÁRIO

Para um amanhã com ainda mais histórias.
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versátil} – Achados – Acauã Pozino

O presente de amar O futuro de Existir O passado de sofrer. A técnica do mergulho. (Acauã Pozino)

Continue a ler
Descrição da imagem: Montagem com fundo colorido. No centro da imagem , em preto, o Cactus do faroeste com um hedfone, contornado por um brilho branco. Fim da descrição.

{Podcast Faroeste} episódio 01 – entrevista com o escritor Davyd Vinicius

Heeey forasters, o nosso podcast está de cara nova! Prontos para desfrutar desse ambiente sonoro que preparamos para cada um de vocês? No episódio de hoje, vamos conhecer um pouco mais da trajetória do escritor Davyd Vinicius. Ele que é o criador e diretor do nosso blog. Vamos ouvir também uma homenagem feita com todo […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Desejos – Acauã Pozino

Queria que a força de meus braços se gastasse Entre abraços e gestos de carinho Entre danças e alianças no caminho E não no esforço de abri-lo pra que eu passe. Pra que nós passemos. Queria que a umidade de meus lábios Fosse gasta entre beijos e suspiros Entre juras e truques pervertidos E não […]

Continue a ler
Início da descrição: Na capa com fundo Marrom, uma sequência de três quadros pendurados com um grampo em um varal. No primeiro, o desenho de um casal, ela com uma coroa e ele com um chapéu de cangaceiro em formato de meia lua, um de frente para o outro e com as mãos juntas ao ar. No segundo quadro: um cacto e pássaros voando sobre a escrita: "Nas trilhas do cordel" "Alaíde Souza Costa". No terceiro quadro: dois homens de chapéu, sentados um ao lado do outro seguram uma viola. Logo abaixo das imagens, pequenas figuras de personagens dançantes, variando entre homens e mulheres, todos festejastes.

[Nas trilhas do cordel] Estruturas poéticas: Agrupamento de estrofes – Alaíde Souza Costa

ESTRUTURA POÉTICA DO CORDEL: AGRUPAMENTO DE ESTROFES Olá, Forasters! E eu disse: Uma família mostrou Como criar um cordel Me senti maravilhada Num mundo de Menestrel Oração, Métrica e Rima Coloquei no meu papel.                      (Alaíde Souza Costa)       Estou de volta e vou […]

Continue a ler
#Pratodosverem um coração se forma com cacos de vidro transparente de diversos tamanhos, ao redor pequenos estilhaços estirados sobre um fundo branco.

{4ª poética} obra de arte – Mirian Mauro

quando enfim você desiste, só o que sobra são cacos, restos, entulhos, estilhaços.

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O Condor – Acauã Pozino

Contaram-me de um tempo Em que um pássaro esquivo Tão voraz quanto altivo Nos veio assombrar. Planava no vento Com ventos varria Garbosas poesias Nativos lamentos. Sua língua, disseram, Soava estrangeira, Desbotada, grosseira, Sem alma, sem versos. Diz-se que só conhecia A rude linguagem das armas Dos cofres moedas e arcas: Avesso ao cantar e […]

Continue a ler
#Pratodosverem uma menina segura um sabiá com as duas mãos. O bico dele se encontra nos lábios dela, ela está de olhos fechados. A menina tem pele clara, sardas no nariz e bochechas, e cabelos castanhos curtos e soltos ao rosto. Fim da descrição

{4ª poética} Pureza – Ana Sene

Pureza é um encanto da beleza De ser criança e viver uma bela infância; Doce infância onde brinca e corre diversão não esnobe. Pureza em um pequeno olhar profundo da inocência; Onde a maldade não se entenda. Pureza em seu jeito de falar me faz encantar. Eu escolhi te amar Meu pequeno sabiá.

Continue a ler
Início da descrição: Quatro fotos sobrepostas uma à outra. Na primeira foto, a mão de um homem e de uma mulher estão dadas. Na segunda, três mãos uma em cima da outra, . Na terceira foto, uma mão enrugada está estendida sobre outra. E na última, duas mãos estão unidas e com os dedos entrelaçados, no pulso, pulseiras arco-íris.. Fim da descrição

{ANDEI PENSANDO} – O Choque Perante o Desconhecido – BIA FERNANDEZ

“Ninguém é de ninguém. As pessoas são livres para escolher o próprio caminho. O amor é espontâneo. Não se pode forçar os sentimentos.” ZIBIA GASPARETTO E aí, leitor, como essas palavras te encontram? Espero que super bem! Bom, escrevi essa crônica em um dia em que estava refletindo sobre o amor, em suas diversas formas, […]

Continue a ler
#Pratodosverem paisagem do mar e o horizonte, o céu em degradê de azul e laranjado. Em primeiro plano, apoiado sobre uma janela, do lado de um tecido leve e quase transparente, uma vela parcialmente derretida. A chama é composta por uma folha, ao lado tem uma concha em espiral com formato de cone, logo acima voa uma borboleta.

{4ª poética } PARTIU MINHA POESIA – Robson Wagner de Souza

Acordei sem inspiração O vazio me completa Procuro palavras em vão E a poesia se dispersa. Por mais que tento Nada vem Procuro dentro Nada tem! Desencontro desesperado Preciso me encontrar Tento sonhar acordado Não consigo me achar. Desprovido da palavra Cada linha espera um verso A caneta o papel lavra E as estrofes ficam […]

Continue a ler