Tag: Faroeste Literário

Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Pranto de Guerra (A Martin Balbinder) – Acauã Pozino

Na garganta fechada ecoa o teu grito. Nossos punhos, cerrados, agarrando-se à luta. Com mordaças de vento, mas nunca esquecidos, Pois agora o temor converteu-se em disputa! Tu, que tomou a rua feita pelos carrascos Tu, que foi um retrato de valente aguerrido, Mas que ao final da trilha, como todos os nossos (Marcados) Terminou […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – A voz do Povo – Acauã Pozino

São tempos de crise. Rumores correm, A imprensa conjectura. As ruas murmuram. As ruas de mim. Pela primeira vez, Entre os copos de licor de sonhos, Os bardos os bárbaros e os bêbados Entram em acordo. A situação é insustentável. Começa a levantar-se a oposição. O Partido da Lua chama sua militância. Também o Movimento […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Abdicação – Acauã Pozino

A esta altura já quase abdico Dos sonhos grandes de liberdade sobre a terra E de glórias maiores do que o intelecto alcança. Encanta-me cada vez mais A singela e inocente dádiva De receber algo belo em minha vida E acreditar na realidade da sua existência. Malditos traidores Que tatuaram com fogo em nossas almas Que […]

Continue a ler
início da descrição: Imagem dividida na diagonal, na parte superior uma casa com neve, na parte inferior, uma arvore vista de baixo. centralizado em letras Pretas contornado em amarelo: "entrEstações" e no rodapé, em branco: "Sarah drummond". Fim da descrição

{Estante Faroeste} – entrEstações – Sarah Drummond

Douglas estava curvado sobre si mesmo, os cotovelos apoiados nos joelhos e o queixo entre as mãos. As imagens cotidianas das pessoas de branco se misturavam com as lembranças em sua mente, assim como os sons e cheiros… Ouviu alguém dizer seu nome ao longe e olhou para cima, se deparando com o rosto do […]

Continue a ler

{4ª Poética} – Feliz melancolia – Luis Andrade.

Paira sobre mim uma melancolia estranha. Oculta no ar parado e quente que vigora nesse instante, ela toma meu coração fazendo-me cavalgar em inexplicáveis saudades, me deixando tenso como o arco quando impele a flecha ao alvo. Me levo através de tal sensação até sentir a psicológica capa de ansiedade me envolver, o que torna […]

Continue a ler
início da descrição: Na capa em fundo branco, no topo em letras verdes "Ausência", no um par de olhos verdes e em baixo, em Preto "Sarah Drummond"

{Estante Faroeste} – Ausência – Sarah Drummond

Sarah: Oi pessoal! Voltando aqui depois de algum tempo, mas espero que gostem! Deixem suas opiniões nos comentários! Antecipadamente, obrigada. Diana coçou os olhos, estava a horas em frente aquele computador. Ouviu sua esposa Clara se mexer na cama e olhou para ela carinhosamente. Depois, se lembrou que estava com frio e com fome. Olhou […]

Continue a ler

{ANDEI PENSANDO} – Doce Belinda – BIA FERNANDEZ

OOi, queridos leitores! Neste domingo trago para vocês mais uma das histórias que tenho na bagagem, amassada entre minhas loucuras! Hahhaaa. Este conto, em especial, originou-se dos meus pensamentos mais sombrios, pois enquadra-se no gênero terror! Então, você que curte esse tipo de narrativa, encontre um lugar confortável, pegue uma bebida saborosa e vem comigo […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versátil} – Achados – Acauã Pozino

O presente de amar O futuro de Existir O passado de sofrer. A técnica do mergulho. (Acauã Pozino)

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – Desejos – Acauã Pozino

Queria que a força de meus braços se gastasse Entre abraços e gestos de carinho Entre danças e alianças no caminho E não no esforço de abri-lo pra que eu passe. Pra que nós passemos. Queria que a umidade de meus lábios Fosse gasta entre beijos e suspiros Entre juras e truques pervertidos E não […]

Continue a ler
Início da descrição: Capa colorida, ao fundo, uma estante de livros desfocada. No topo, em letras brancas "Acauã Pozino". No centro, em um livro inclinado de capa azul, lê-se versartil na cor branca com uma sílaba abaixo da outra. Atrás das letras uma flecha preta liga as sílabas "ver e til". Em baixo no rodapé da imagem, uma marca d'água, com um cactos, símbolo do blog.

{Versartil} – O Condor – Acauã Pozino

Contaram-me de um tempo Em que um pássaro esquivo Tão voraz quanto altivo Nos veio assombrar. Planava no vento Com ventos varria Garbosas poesias Nativos lamentos. Sua língua, disseram, Soava estrangeira, Desbotada, grosseira, Sem alma, sem versos. Diz-se que só conhecia A rude linguagem das armas Dos cofres moedas e arcas: Avesso ao cantar e […]

Continue a ler